quinta-feira, 18 de setembro de 2008

A Vida Sexual de Catherine M. - Catherine Millet


Embora não sendo um apreciador de romances eróticos, este ”A vida sexual de Catherine M.” chegou-me às mãos de uma forma muito curiosa, parecendo ser uma daquelas situações ocasionais do destino que me colocaram nas mãos um livro que poderia ser interessante analisar e perceber até onde teria ido essa tal Catherine M., sobretudo depois de saber que este livro criou um grande impacto em França.

Do livro, uma questão fulcral se levanta: ”O que leva uma conhecida crítica de arte, ainda por mais, directora de uma prestigiada revista de arte, descrever, de uma forma nua e crua, toda a sua vida sexual?”

Honestamente não sei! Sobretudo depois de ler o livro.

O livro tem pouco para analisar ou a contar, pois é simplesmente um desfilar de recordações misturadas com factos imaginários a partir da altura em que Catherine Millet perde, aos 18 anos, a virgindade.

Pertencente à geração que defendia a liberdade sexual, Catherine lança-se numa promiscuidade sem regras, numa selvajaria sexual sem limites, sem cuidados e sem fronteiras. Catherine pratica sexo puro e duro da mesma forma que respira, algo intrínseco à sua pessoa, à sua personalidade. Pode-se dizer mesmo que o sexo ocupa o seus pensamentos e actos 24 horas por dia, com centenas de homens, em lugares privados, clubes, automóveis, no campo, casas particulares. Com conhecidos e desconhecidos. Amontoados de corpos onde ele mergulha, onde se entrega sem qualquer tipo de preliminares, apenas sexo por sexo, um cavalgar incessante, violento e sem ponta de sentimento. Ela própria afirma que não sabe a quantidade de parceiros que teve, alguns sem rosto, todos eles onde apenas o falo tinha importância e a forma como a usavam até à saturação física, a perfuravam violentamente, uns atrás dos outros, em catadupa, pela frente, por detrás... violento? Apenas tento transmitir a aberração do relato dela.

É um livro muito cansativo que usa e abusa de uma linguagem vernácula, ostensivamente chocante. Catherine narra sem qualquer pudor toda uma vida dedicada à prática sexual sem limites, um exibicionismo admitido, uma prática animal sem freio, pouco ou nada erótica e sim altamente doentia, paranóica, pois a diferença que separa o ser humano dos animais é aqui completamente diluída nos actos dementes desta mulher.

Muitos podem gostar, achar erótico e até excitarem-se com as descrições, inclusivamente surpreendeu-me Eduardo Prado Coelho afirmar: ”ler este livro é uma experiência de leitura poderosa e inesquecível”. Poderosa em que aspecto? Inesquecível é de facto tal a javardice e promiscuidade relatada.

Agora o livro valerá alguma coisa?

Certamente que sim, pois sabe-se que o narrado por Catherine, por muito que possa ser chocante, é algo que cada vez mais é algo comum nas sociedades contemporâneas e muito comum nas sociedades antigas. Ou seja, o livro poderá valer pela análise das situações num contexto social alargado, no entanto e para além de certamente agradar aos vouyeristas, não estou a ver alguém que tire especial prazer das situações narradas e muito menos que aprenda alguma coisa com elas.

Obviamente que sendo ainda um tabu na sociedade contemporânea, cada um de nós vê e pensa o sexo à sua maneira, no entanto considero as experiências relatadas por Catherine Millet, doentias, nada eróticas, explicitamente pornográficas e, ao contrário do que ela afirma, nada têm a ver com a liberdade, pois ela acaba por ficar presa naquele mundo, um mundo onde centenas de homens apenas a viam, ou vêm, como uma gaja que abria as pernas a qualquer um e sugava qualquer pénis.

Isso é liberdade?

Peço desculpa por algumas das palavras aqueles mais susceptíveis, mas tentei apenas descrever um pouco da brutalidade dos factos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário