quarta-feira, 29 de julho de 2009

O Pacto - O Crime de ter Nascido

Título: O Pacto - O crime de ter nascido
Autor: Gemma Malley
Tradução: João Martins
Edição: Editorial Presença
Nº de páginas: 287
"Planeta Terra, ano 2140. A ciência oferece aos humanos a possibilidade de se tornarem imortais, mas, dada a escassez de recursos, a imortalidade só é garantida à custa da renúncia à descendência. O Pacto é o compromisso que sela tal decisão. Quebrá-lo é ir contra as leis da Natureza, e as consequências são aterradoras. Anna conhece-as demasiado bem. É uma Excedente, uma criança que não deveria ter nascido. Desde bebé que está em Grange Hall, a instituição que prepara todos os Excedentes para o terrível destino que os espera no mundo exterior. Mas um dia recebe a visita de Peter, um jovem Excedente que vem revolucionar para sempre a sua visão de si própria e do mundo… Uma estreia absolutamente original."
Ainda que nos possa parecer um livro direccionado para um público mais jovem, pela sua temática e pelas questões que levanta, esta é uma obra que pode ser desfrutada pelo público mais adulto sem quaisquer problemas.
Partindo de uma permissa que nos é muito familiar - a vida actual com todas as suas doenças, problemas ambientais e sobretudo o medo da velhice e da morte - a autora faz um verdadeiro exercício de Filosofia que nos leva a um verdadeiro campo de concentração (Grange Hall) em 2140. O mundo tornou-se num lugar muito diferente, um local ainda menos simpático e mais egoísta e é esta nova realidade que dá que pensar ao leitor.
Como consequência da visão egocêntrica e egoísta que o Homem tem do planeta no início do século XXI, pensando sempre que reciclar chegava, que a crise ecológica vinha muito longe e que para a travar bastava não andar tanto de carro, a sociedade mundial assiste a um esgotamento quase total das reservas energéticas. Simultâneamente, os cientistas descobrem o modo de prolongar indefinidamente a vida, evitando doenças e a grande maioria das naturais consequências do envelhecimento humano. Estas novas realidades levam a que as autoridades invertam a ordem natural da vida, contrariando a natureza - para que os velhos possam viver para sempre é condenada a nova vida e os nascimentos são proibidos por lei pois cada novo ser humano põe em perigo toda a Humanidade sendo visto apenas como mais um que vem esgotar os parcos recursos disponíveis. Contudo, há quem resista a esta nova visão da vida e tudo faça para que um dia o Homem possa "regressar às origens".
Além de levantar questões sobre os avanços da ciência e da tecnologia na sociedade actual (e sobre as suas possíveis consequências), Gemma Malley apresenta-nos alguns personagens que se tornam interessantes sobretudo pelo modo como retratam o comportamento e o pensamento humanos em situações de grande adversidade. É uma boa leitura de praia ou de fim-de-semana pois, apesar da temática implícita nos deixar a pensar e de a história ser algo previsível, a escrita é ligeira, o livro é pequenino e a tradução pareceu-me bastante boa.
7/10 (seria um 6.5 mas...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário