quinta-feira, 30 de julho de 2009

A Rosa Rebelde

Autor: Janet Paisley
Título Original: White Rose Rebel
Editora: Bizâncio
Páginas: 384
ISBN: 9789725304211
Tradutor: Elsa T. S. Vieira

Sinopse
Numa época em que a guerra civil dividia a nação, Anne acreditou que podia bater-se com os melhores guerreiros. Pela espada. Por convicção. Por paixão. A Rosa Rebelde conta-nos a fascinante e turbulenta história de uma notável figura histórica, Lady MacIntosh, que ficou conhecida como coronela Anne. Foi uma heroína das Terras Altas da Escócia, uma encantadora rebelde, uma Braveheart que arriscou tudo, incluindo a sua vida, por amor ao seu país e ao seu rei. Fruto de uma cuidada investigação histórica, e com notável mestria, Janet Paisley criou uma extraordinária história de amor, conflito, lealdade e traição que se lê compulsivamente. Uma sensual aventura histórica, repleta de emoção, protagonizada por uma heroína apaixonada e irresistível.

Opinião
A Rosa Rebelde conta a história da escocesa Anne Farquarson, a "coronela" que liderou os rebeldes jacobitas na guerra de 1745, numa tentativa de resgatar a independência da Escócia da soberania inglesa. Filha de John Farquarson, desde cedo Anne se torna sensível às questões da independência escocesa e quando casa com o chefe do clã MacIntosh, os dois entram em conflito porque Anne defende o apoio ao príncipe exilado Charles Edward Stuart, que teria o direito de reclamar o trono escocês, mas o seu marido não é da mesma opinião.

O livro relata este período conturbado da história escocesa com um bom nível de detalhe, tendo por base uma visível detalhada pesquisa histórica. O relato destes acontecimentos é intercalado com a vida romanceada de Anne, que alivia a densidade dos pormenores históricos presentes, apesar de a ligação entre estes dois aspectos da obra nem sempre ser bem conseguido. Para além disto, achei que as personagens e as ligações entre elas também podiam ter sido melhor exploradas. No entanto, e apesar destes aspectos que apontei, a leitura foi muito agradável e nunca se tornou aborrecida. Uma das coisas que mais me agradou (e surpreendeu) foi conhecer a cultura escocesa da época, desde a lógica dos clãs à importância e liberdade dada às mulheres. De facto, era um modo de pensar muito à frente do seu tempo.

Como gosto bastante de romances históricos, onde posso juntar ao prazer da leitura à aquisição de conhecimento sobre acontecimentos passados, este livro cumpriu bem o seu papel; apesar de não ser uma obra literária excepcional, julgo que será especialmente apreciado por quem gosta de romances históricos.

7/10 - Bom

[Livro n.º 68 do meu Desafio de Leitura]


Nenhum comentário:

Postar um comentário